Não escolhi o nome das minhas filhas

31.05.17

Postado por Sandra

 

Desde quando eu e o Rodolfo namorávamos, eu já tinha em mente quais nomes gostaria de colocar nos meus filhos! Namoramos por muito tempo (7 anos!), então ficávamos imaginando como seriam os rostinhos dos nossos filhos mestiços. Acho que todo casal sonha com os seus futuros filhos e os nomes que mais gostam, não é mesmo?

Da minha parte, o baque quando não conseguimos ter filhos e que o tratamento tão caro não tinha dado certo foi um pouco diferente dos sentimentos que o Rodolfo escreveu no post sobre a adoção da Vitória (link). Com toda certeza foi um desgaste emocional e toda vez que eu lembro bate aquela mistura de sentimentos confusos. Mas no fundo, o que eu gostaria mesmo, mais do que engravidar, poder gerar meus próprios filhos e/ou amamentar, seria formar uma família, educar uma criança, deixar um legado para ela. E isso eu conseguiria sim através da adoção. Para mim essa conclusão chegou naturalmente e já ficava sonhando com essa nova possibilidade.

não escolhi o nome das minhas filhas

A chegada da Vitória não poderia ser no melhor momento. Eu me sentia mais madura, com a certeza do que estávamos fazendo e com muita vontade de ver nossa família crescer. Ela já veio com 2 anos e 9 meses, e pulamos aquela fase de bebê pequeno, mas mesmo assim tudo foi muito mágico e precioso. Claro que esses momentos mágicos não excluíram momentos de manha máxima que foram necessários disciplina, tirada de fralda que resultaram em muitos xixis no chão, horas das refeições que duraram uma hora ou mais. Eu sabia que isso fazia parte do processo. E o nome? Deus não poderia ter nos dado a ˝Vitória˝ mais certa, tinha tudo a ver com a nossa história e, convenhamos, é um nome lindo. Ponto para Ele!

E passados exatos 2 anos e 9 meses após a adoção da Vivi, qual o bebê de 9 meses chega aos nossos cuidados? Sim, a Nicolete, Ninizilla ou simplesmente a nossa Nini. Veio como um furacão nas nossas vidas, pois além de ser uma bebê muito esperta e inteligente, era (e é) ativa como nunca. A Nicole veio confirmar que os caçulas são os mais danados (me incluo nessa descrição) e quer fazer tudo conforme a irmã mais velha, apesar de quase 5 anos de diferença. Talvez se tivesse vindo primeiro seria muito provável que seria filha única… Voltando ao nome: Nicole, outro nome lindo. Ponto para Deus novamente!

Sempre falo para a Vitória e a Nicole que Jesus tem algo muito especial para nossa família, pois juntou 4 pessoas completamente diferentes para unidos cumprirmos uma missão, claro que inclui estarmos aqui no Japão, mas muito mais que isso, de mostrar o quanto Deus realmente se importa com a história de cada um de nós e que nada, nadinha é por acaso. Tudo o que passamos tinha um propósito maior e o nosso sofrimento lá no comecinho da história não se compara ao que temos hoje. Lembre-se sempre que Deus é fiel e nos ama incondicionalmente, e o que Ele tem reservado para nós é muito melhor do que tudo aquilo que sonhamos ou planejamos.

 

 

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 0

Deixe uma resposta

DESIGN: Sandra H. V. • programação: webonfocus