Escoteiros

22.07.15

Postado por Sandra

 

escoteiros

O grupo escoteiro Leão de Judá é um ministério da Imel Diadema e foi fundado em julho de 2011. Voltado para a formação educativa de jovens entre 7 a 21 anos, o grupo escoteiro está registrado na União dos Escoteiros do Brasil e segue os ideais de B.P. – Baden Powell, o fundador do escotismo. Veja a página do grupo no Facebook, neste link.

Eu e o Rodolfo sempre tivemos grande simpatia pelo movimento escoteiro, pois o Camping (acampamento de carnaval da Imel), tinha como base o escotismo e aprendemos muitas coisas com ele.

Uma parte do grupo veio ao Japão para participar do Jamboree Mundial, que acontece a cada 4 anos em diversos países. Veja o site oficial do Jamboree, em inglês, aqui. Esse evento acontece dos dias 28 de julho a 8 de agosto, em Yamaguchi.

Eles vieram antes para aproveitar um pouco, passear pelo Japão e participar em uma EBF (Escola Bíblica de Férias) em Takefu, que acontecerá essa semana. Após isso, eles irão ao Jamboree.

Nessa semana eles ficaram em Chiba e passearam pelo centro de Tóquio, Odaiba e outros lugares também. Foi a primeira vez que recebemos tanta gente em casa: 9 pessoas, fora a nossa família! Tinha tanta gente que parecia o busão na hora do rush! Mas deu tudo certo nessa etapa. O Felipe Mita e o Pedro se hospedaram na casa da Ruth e Edson – ficam registrados aqui nossos agradecimentos à essa família.

O Tércio e a Lucimara, que são dentistas e pais da Giovana e Rafaela, vieram acompanhar o grupo e se abdicaram de um tempo no Brasil para participar dessa jornada.

Para os escoteiros, esse tempo por aqui será importante e eles se lembrarão disso por muito tempo. Conhecer um lugar com cultura e costumes tão diferentes vão ajudá-los a amadurecer e enriquecer sua experiência de vida.

 

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 0

Nosso dia a dia

27.05.15

Postado por Sandra

 

Esse vídeo fizemos em fevereiro, e foi mostrado na IMeL Diadema na época.

Tínhamos que editar esse vídeo para não aparecer a placa do carro, e só agora tivemos condições de fazer isso.

Como já faz um tempo, mais de 3 meses, muita coisa mudou, principalmente o clima. Estava bem frio, pleno inverno, que dá para ver nas nossas roupas. Agora estamos na primavera e o tempo está bem mais quente, por volta de 23ºC. E também agora já tiramos nossa carta de motorista, compramos o carro e os móveis que faltavam – não precisamos mais dormir no chão.

Olhando esses meses que passaram, só temos que agradecer mesmo a Deus por tudo que passou. Temos experimentado o Seu cuidado em cada detalhe, e agradecemos por toda oração feita por nós, realmente fez e faz toda a diferença.

 

dia a dia

Clique na imagem para assistir

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 2

A saga de um visto!

6.01.15

Postado por Rodolfo Veronese

 

No primeiro semestre do ano passado, foi decidido que daríamos entrada na papelada para o visto de missionários no segundo semestre. Todo o processo deveria ser feito no Japão e com os documentos traduzidos. Corremos atrás dos documentos e fomos enviando o que tínhamos e nossos irmãos do Japão foram fazendo as traduções. Porém faltavam alguns importantes como o diploma de teologia do Rodolfo, isso acabou atrasando o processo.

Em setembro,  Pr. Carlos veio ao Brasil passar o mês para cuidar da família e só retornaria para o Japão em outubro. O que parecia ser mais um atraso se revelou uma oportunidade, pois ele pôde levar os nossos documentos originais. Nesse mesmo período, surgiu uma promoção imperdível de passagens para o Japão quase 50% mais barato do que havíamos pago em janeiro e por uma empresa aérea muito melhor. Não tivemos dúvidas e, pela fé, compramos as passagens.

Mas tempo estava ficando curto e a informações que tínhamos é que o processo de liberação do visto duraria até 3 meses! Agora ficava a dúvida se o tempo seria suficiente antes da data das passagens?

No dia 4 de novembro, Pr. Carlos deu entrada no pedido. Esse foi o prazo mais rápido possível. Nesse período até a entrada, ele foi auxiliado e orientado por pessoas com experiência com esse tipo de visto no Japão a quem somos muito gratos. E a boa notícia dada pelo funcionário da imigração foi que o processo levaria 2 meses. Ou seja, se tudo desse certo os papéis sairiam alguns dias antes de viajarmos. Mas esse documento precisaria chegar no Brasil a tempo e cogitávamos em pagar o envio mais rápido que tivesse mas mesmo assim não era certeza.

O tempo foi passando e o silêncio de informações era constante. A tentação de ficarmos ansiosos aumentando. E então veio a notícia que nos confudiu: o Pr. Carlos viria novamente ao Brasil cuidar da família e acompanhar a volta da Andreza, missionária da IMeL SJC que ficou 6 meses no Japão. Era uma condição imprevista pois ele já havia vindo em setembro mas era uma oportunidade para trazer a papelada em mãos. Se tudo desse certo entregaríamos tudo no último dia possível no consulado japonês e os passaportes ficariam prontos no mesmo dia do nosso voo!

 

Visto 2015

Emocionante, não? Pois é  mas tivemos mais uma “emoção”! Dado os 2 meses, no caso ontem o Pr. Carlos foi até a imigração em outra cidade para saber do andamento e descobriu que já havia sido enviado por correio de manhã! E agora será que chegaria antes do Pr. e Andreza partirem para o Brasil? Que rufem os tambores….

… chegou! E nesse momento está a caminho do Brasil. Ufa, como tenho dito “aos 46 do segundo tempo”. Sim, foi uma saga e tanto, com muita emoção mas maior ainda tem sido a fidelidade de Deus. Podem dizer que foi só uma grande coincidência, mas uma coisa eu descobri em minha vida, quando a gente ora e confia em Deus, as “coincidências” acontecem.

Nosso muito obrigado a todos que oraram e nos apoiaram para conseguir esse visto! Esse é o nosso último post no Brasil! O próximo, pela graça de Deus, será direto do Japão!

神さまをかんしゃしています.
神さまを信じています

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 2

Fatos engraçados que aconteceram na nossa viagem em janeiro/14

23.09.14

Postado por Rodolfo Veronese

 

Estar em outro país sempre proporciona inúmeras situações engraçadas. Agora é motivo de risos, mas na hora muitas vezes a sensação é desesperadora. Essa chance aumenta bastante com duas crianças e em um lugar que não entendemos a língua.

Estávamos visitando Odaiba em Tokyo, o Rodolfo ficou sozinho com as crianças no Legoland e a Sandra foi passear no gigantesco shopping. Já lá dentro, Rodolfo perguntou várias vezes se a Nicole queria ir ao banheiro, a resposta sempre negativa. Segundos após perguntar pela última vez, o xixi vaza em pleno Legoland. Tudo bem que é um lugar cheio de crianças e com certeza isso não era a primeira vez que acontecia mas, no momento da tensão, como explicar para o funcionário em japonês? A sorte é que junto estava o Thiago, filho dos nossos amigos de Chiba Ruth e Edson, que ajudou na tradução! Tenso, muito tenso!

Estávamos em um restaurante de Lamen em Takefu. Na mesa eram 8 pessoas e a Sandra era a única 100% nikkei, com cara de japa, mas era também a única que não entendia o que a garçonete estava falando.

Fatos engraçados

A Sandra estava em um onsen, aqueles banhos públicos com ofurôs (piscinas de água quente), onde todos estão sem roupa. Até que a Nicole simplesmente sai correndo toda feliz de em direção à saída e, por providência divina, confunde a porta de saída com a do banheiro. Se não, teríamos uma situação no mínimo constrangedora de uma mãe correndo atrás de uma menininha doida… nuas fora do onsen!

A Vitória resolve se esconder em um condomínio na hora de ir embora (os prédios do Japão são em locais abertos sem portões, diferente do Brasil). Depois de 5-10 minutos de gritos e pavor da Sandra – imaginem o que é “perder” o filho em um país estrangeiro – a pequena reaparece com a maior “cara lavada” como se nada tivesse acontecido! Estava só brincando de se esconder!

Compramos um salgadinho na loja de conveniência em formato de macarrão que vinha em um copinho, a Nicole não teve dúvidas e soltou:  “Pai, me dá mais um pouco de suco de macarrão?”.

Os trens no Japão são muito pontuais (já falamos desse assunto aqui) e em uma mesma plataforma passa mais de uma linha, logo o trem seguinte não necessariamente tem o mesmo trajeto daquele que já passou.
Sabendo disso, programávamos para estar no trem com certa antecedência. E, por mais de uma vez, nós já sentados e acomodados dentro do trem, faltando pouquíssimos minutos para partir, a Nicole solta: “Quero fazer xixi!” Parecia que era de propósito o “timing” da nossa doidinha!

Hyakuen são lojas do Japão semelhantes às de 1,99 aqui do Brasil com a diferença de que os produtos são bons, bonitos, divertidos e práticos. É impossível ir ao Japão e não gastar algum tempo (e dinheiro) lá. Mas não tanto quanto a Sandra: ela tinha que passar em TO-DOS os corredores para ver as coisas fofas e legais.

Oyalulilalai! Sabe o que significa? Idioma em havaiano? Indonésio? Coreano talvez? Não, é a versão da Nicole do “oyasuminasai” (boa noite quando vai dormir, em japonês).
Estávamos na casa da Ruth e Edson e falamos: Nicole, fala oyasuminasai pros tios! Ela solta esse “Oyalulilalai” com a maior cara de sapeca do mundo. Rimos muito!

Essas são só algumas situações e, com certeza, passaremos ainda por muitas gafes quando retornarmos ao Japão.

Obrigado por estar acompanhando nosso blog, é muito gostoso e confortante receber o feedback de vocês.
E não se sinta envergonhado, comente aqui no blog ou no Facebook. Conte algo que você também passou de engraçado em alguma viagem!

Deus os abençoe e “oyalulilalai”!

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 0

暑い!Calor! O Japão é quente!

9.09.14

Postado por Rodolfo Veronese

 

As estações do ano no Japão são bem definidas mas também são extremas. No inverno é muito frio e no verão é muito quente, mas muito quente mesmo! É um calor úmido comparável ao de cidades do norte do Brasil como Manaus e Belém. Então, apesar de sermos de uma nação tropical e, portanto, quente na maior parte do ano, o calor japonês é algo difícil de se acostumar.

Mas o bom é que muitos lugares possuem ar condicionado e existem inúmeros apetrechos para se refrescar que são vendidos em lojas e supermercados.

Outro ponto interessante é a questão do fuso horário, o Japão está 12 horas adiantado com relação ao horário do Brasil. Na verdade, isso facilita muito, pois é só olhar no relógio e lembrar que do outro lado é oposto: 15h aqui no Brasil são 3h da manhã no Japão! E no verão o dia começa cedo, muito cedo, às 6h o sol já está a pino e o dia completamente claro!

Estive por duas vezes no Japão nos meses de verão e da segunda vez fiz este vídeo mostrando um pouco de como é.

 

Calor e fuso horário

Clique na imagem para assistir

 

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 0

DESIGN: Sandra H. V. • programação: webonfocus