Estudo do inglês antes de vir para o Japão

8.02.18

Postado por Sandra

 

estudo inglês

Uma pergunta um tanto curiosa: ˝Por que eu, Sandra, estudei o inglês e não o japonês no Brasil?˝, já que o Rodolfo estudou por três anos a língua japonesa e se preparou antes de virmos?

Eu sempre gostei do inglês e, como não tive a oportunidade de estudar quando criança, fui concretizar esse projeto já na vida adulta. Eu fazia o curso na própria empresa que eu trabalhava, durante a hora do almoço. Era um pouco corrido, mas me sentia feliz por estar cada dia mais perto de realizar esse sonho. Ao todo, foram mais ou menos 7 anos de estudo, muitos ˝listenings˝, ˝homeworks˝, algumas provas e apresentações.

Quando estava no meio do período de estudo do inglês, eu tentei estudar o japonês simultaneamente com um amigo nosso (o Teo, vulgo Rafael) e adivinhem o que aconteceu? Na minha cabeça só vinham as respostas em inglês, era muito difícil virar a chave do idioma, ainda mais que estudava os dois no mesmo dia. Pura ilusão dar certo dessa maneira… rs!

Como não conseguia me dedicar inteiramente em nenhuma língua, pensei e, depois de um tempo, resolvi focar só no inglês, acreditando que seria muito importante e abriria portas para a minha profissão (design gráfico) no futuro. E acredito que essa tática deu certo! Tem-se aberto grandes oportunidades de negócios com clientes de fora do Brasil, principalmente os EUA. Só o fato de eu poder me comunicar com qualquer pessoa por e-mail, Skype ou até pessoalmente em inglês me dá uma tranquilidade grande de poder negociar e trabalhar.

No último mês de janeiro, completamos 3 anos que estamos aqui no Japão. E nesses anos, estudo quase que diariamente a língua japonesa, os kanjis, a gramática e tudo o mais que implica o aprendizado de um idioma. Vou uma vez por semana na aula da prefeitura e tenho contato com os professores e outros estrangeiros no mesmo nível de japonês que o meu. Como eu gosto de estudar (o Rodolfo me acha um pouco estranha por causa disso), tem sido um tempo muito proveitoso e prazeiroso, e é muito legal quando já reconheço alguns kanjis nas sinalizações e nos textos. Atualmente o meu entendimento é mais ou menos de 60 a 70%, e a última barreira que tenho que vencer ainda é falar melhor o japonês. Mas me lembro que no inglês foi o mesmo processo, entendia bastante, e falar tranquilamente foi a última etapa do aprendizado.

Em todo o processo do aprendizado das línguas (inglesa e japonesa), vejo o quanto Deus tem sido bondoso conosco e direcionado nossos planos. O mais interessante é que Ele utiliza um desejo/sonho nosso e transforma isso em algo muito maior, para cumprimento dos Seus propósitos.

 

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 0

Nihongo – Japonês

27.01.15

Postado por Rodolfo Veronese

 

Já tinha ouvido muito sobre as dificuldades de começar a morar em outro país sem ser fluente na língua, mas confesso que vivenciar isso tem sido bem mais intenso!

Quando comecei as aulas de japonês sabia que teria um longo caminho pela frente, dos primeiros traços do hiragana, passando pela eterna confusão entre o shi e tsu no katakana. As divertidas aulas do meu curso de japonês me deram uma boa base mas, mesmo assim, temos passados por situações até engraçadas aqui lidando com essa nova língua.

Vim para cá todo animado, pois estava cada vez entendendo mais as conversas simples do dia a dia mas levei um choque com muitos documentos e formulários de burocracia com infinitos kanjis desconhecidos e um linguajar dos funcionários quase todo incompreensível para mim. E a constatação de que burocracia é chata e demorada em qualquer país e em qualquer língua. Se não fosse a ajuda dos irmãos da igreja aqui, em especial da Ruth (nossa tradutora e hospedeira oficial), seria quase impossível resolver tudo que precisamos.

nihongo

Para compensar, algumas conversas tem sido possíveis! Uma moça que puxou conversa no parque, a vizinha, uma moça no trem, o simpático rapaz da imobiliária e tantos outros que jogam por terra aquele preconceito de que os japoneses são fechados e antipáticos. As meninas ajudam bastante neste quesito, temos ouvido muitos elogios e sorrisos para elas por onde andamos, especialmente a Nicole com seu jeitinho travesso.

Na escola da Vitória que fomos visitar, um menino fixou os olhos nela e só falava: kawai, kawai e depois emendou em português ajudado pela professora: bonita, bonita! Ela ficou toda envergonhada!

A Vitória já tem arriscado mais coisas em japonês. A Nicole não tem dúvida: fala tudo em português com as outras crianças, não importa quantas vezes a gente fale que elas não entendem.

Outra situação engraçada é que normalmente as pessoas, especialmente as crianças, chegam falando japonês com a Sandra e inglês comigo!

O plano é continuar estudando por aqui e prestar a prova de proficiência no meio do ano. Sempre achei que essa prova seria meu maior desafio, mas tive uma surpresa: esse sábado vou realizar o meu primeiro casamento aqui no Japão e com a mensagem totalmente em japonês! Lida, claro, porém sem tradução!

Apesar das dificuldades tem sido um tempo muito bom e de muito crescimento. Sabemos que o entendimento e a fluência virá com o tempo mas muitas vezes penso que devia ter feito mais as lições de casa das aulas de japonês. Meus amigos do curso vão entender bem isso! Hehehe…

 

 

compartilhe Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone
comente 4

DESIGN: Sandra H. V. • programação: webonfocus